• Aeromonas hydrophila em cultura em Ágar Ampicilina Dextrina.

    Aeromonas hydrophila em cultura em Ágar Ampicilina Dextrina.

  • Células de Aeromonas hydrophila após coloração de Gram.

    Células de Aeromonas hydrophila após coloração de Gram.

  • Aeromonas hydrophila em microscopia eletrônica de varredura.

    Aeromonas hydrophila em microscopia eletrônica de varredura.

Clique nas imagens para ampliar

Morfologia

  • As espécies do gênero Aeromonas são bacilos Gram-negativos que podem assumir uma forma mais curta e/ou esférica (cocóide) em situações de baixa disponibilidade de nutrientes.
  • Estas bactérias apresentam uma camada cristalina em torno de suas células.
  • Podem ser móveis, possuindo um ou mais flagelos, realizando um
    deslocamento denominado “swarming” que significa “mover em grupo como um cardume de peixes”.
  • As espécies do gênero Aeromonas adaptadas a ambientes frios tendem a ser imóveis.
  • Podem apresentar fímbrias (curtos pelos) que participam de sua adesão às superfícies e na formação de biofilmes.
  • Não formam esporos de resistência.

Fisiologia

  • As espécies do gênero Aeromonas são hemolíticas rompendo as hemácias presentes em ágar sangue.
  • São anaeróbias facultativas (proliferam tanto na presença como na ausência de oxigênio).
  • São oxidase positivas.
  • Fermentam vários carboidratos.
  • Reduzem nitrato à nitrito.
  • São halotolerantes sobrevivendo em águas com concentração salina de até 6%.
  • Sobrevivem em ambientes com pH entre 5,0 e 10,0.
  • Produzem vários tipos de enzimas para degradação de lipídios, ácidos nucléicos, carboidratos, quitina do exoesqueleto de animais, dentre outras.
  • Produzem uma enterotoxina (aerolisina) que gera poros nas membranas das células intestinais humanas.
  • Algumas espécies de Aeromonas são psicrotróficas, com temperatura ótima em torno de 22 a 28º C, sendo importantes patógenos que provocam elevada mortalidade em peixes em diversas regiões do planeta.
  • Outras espécies de Aeromonas são mesófilas, com um ótimo de temperatura para multiplicação em torno de 35º C, sendo importantes patógenos oportunistas humanos.
  • Estas bactérias entram no estado “viable but non culturable” (VBNC), comum em várias bactérias do ambiente aquático, onde as células estão vivas na água, mas não crescem em meios de cultivo tradicionalmente empregados para sua detecção podendo, contudo, continuarem capazes de infectarem seus hospedeiros e de desencadearem doenças.

Ecologia

  • As espécies de Aeromonas são extremamente comuns no ambiente, predominantemente nos ambientes aquáticos (alguns autores defendem que Aeromonas é sinônimo de água).
  • Encontram-se em números elevados em esgotos e em águas superficiais e em números reduzidos em águas subterrâneas.
  • Já foram isoladas a partir de águas de rios, lagos, poços, estuários, água potável, água de reuso e em vários estágios do tratamento de esgotos.
  • Sua concentração em esgotos pode chegar a 1 trilhão de UFC/mL (UFC significa Unidades Formadoras de Colônias que em termos laboratoriais é o número de pontos de crescimento bacteriano na superfície de um meio de cultura onde se espalhou um dado volume de uma amostra, por exemplo, de água de esgoto).
  • São encontradas também no solo, no intestino de peixes, répteis, anfíbios e vertebrados, inclusive em 1 a 4% dos humanos.

Taxonomia

• As bactérias do gênero Aeromonas são classificadas na família Aeromonadaceae.
• As espécies mais importantes como agentes causadores de infecções no homem são Aeromonas hydrophila, Aeromonas caviae e Aeromonas veronii.

Doenças em Humanos

  • As espécies de Aeromonas são consideradas patógenos emergentes, pois o número de casos de infecções humanas tem se elevado ao longo dos anos.
  • As infecções por espécies de Aeromonas ocorrem principalmente em indivíduos imunocomprometidos como alcoolatras com cirrose, pacientes com leucemias, em tratamento contra o câncer, mulheres grávidas, idosos, etc.
  • Podem provocar colangite, enterocolite, pneumonia, endocardite, meningite, sepse e morte por choque séptico.
  • É uma “bactéria carnívora” que ao penetrar na pele provoca vasta destruição dos tecidos resultando em um quadro denominado de fasciite necrotizante que está relacionada com a grande diversidade de enzimas produzidas pela bactéria.
  • Lesões semelhantes são desencadeadas em várias espécies de peixes com elevado índice de mortalidade.
  • A comprovação de que produzem enterotoxinas como a aerolisina aumentou a convicção de que pelo menos algumas linhagens sejam agentes causadores de gastroenterites.

Prevenção

  • É muito difícil evitar o contato com espécies de Aeromonas já que estas bactérias são ubíquas (amplamente distribuída) no ambiente e até mesmo em águas cloradas com cloro residual adequado.
  • Evitar o contato de lesões com a água.

Presença em água para consumo humano

• O tratamento de esgotos geralmente não elimina as espécies
de Aeromonas do efluente produzido para reuso.
• São consideradas colonizadoras primárias em sistemas de distribuição, sendo as primeiras bactérias a aderirem com seus pili nas superfícies existentes facilitando a adesão de colonizadores secundários.
• São detectadas em sistemas de distribuição de água clorada para consumo humano até mesmo em países desenvolvidos.
• Podem estar presentes em águas cloradas com cloro residual adequado e que não apresentam E. coli. Istoevidencia que as Aeromonas são mais resistentes a produtos clorados e que a E. coli, tradicionalmente empregada como indicador da qualidade da água para consumo humano, não é um bom indicador de sua presença em amostras de água.

COMPARTILHAR